Como a luz azul das telas prejudica a saúde dos olhos e do sono?


 - Foto: Divulgação
11/02/2024 às 10:42
Redação

Saiba Mais

Atualmente, tem sido muito comum passar horas diante de telas de exibição de equipamentos eletrônicos, como smartphones, tablets, computadores e televisões. Infelizmente, as consequências desses hábitos não são favoráveis para a saúde dos olhos.

Esses tipos de dispositivos digitais emitem quantidades consideráveis de luz azul, que tem como principal característica o comprimento de onda bastante curto e de alta energia, o que aumenta a sua taxa de absorção por parte da retina (revestimento interno sensível à luz localizado atrás do olho). Quem afirma é a oftalmologista Larissa Godinho. Ela tem especialidade em oftalmopediatria, estrabismo e plástica ocular.

A médica comenta, por exemplo, que a luz solar contém vermelho, laranja, amarelo, verde e azul, bem como outros tons em cada uma dessas. “Todas elas combinadas criam esse espectro de raios de luz coloridos que chamamos ‘luz branca’ — ou luz solar”, ilustra.

Segundo ela, estudos experimentais em animais mostraram que a exposição excessiva à luz azul danifica as células sensíveis à luz na retina, por isso ela acaba sendo tão prejudicial para a saúde dos olhos e, a longo prazo, pode provocar o aparecimento de problemas graves, como a degeneração macular.

Degeneração macular

De acordo com a profissional, a degeneração macular é um problema que afeta o funcionamento de uma pequena região no centro da retina, chamada mácula, que tem como principal função proporcionar imagens mais nítidas, precisas e detalhadas.

“A doença consiste na destruição lenta e progressiva das células da mácula que, com o passar do tempo, ocasiona a formação de um ponto cego irreversível na retina”, informa.

Fadiga ocular

A luz azul digital também contribui para a fadiga ocular.

“Como a luz azul de alta energia e comprimento de onda curto é mais facilmente espalhada do que outra luz visível, não é tão fácil focalizar. Ao visualizar monitores e outros dispositivos digitais que emitem quantidades significativas de luz azul, esse ‘ruído visual’ fora de foco reduz o contraste e pode contribuir para a fadiga ocular”, explica a médica.

Os sintomas da fadiga ocular são:

  • Visão embaçada;
  • Olhos secos;
  • Irritação;
  • Sensibilidade à luz;
  • Lacrimejamento;
  • Dores de cabeça.

Dica de expert

Aos que sofrem de fadiga ocular, a oftalmologista compartilha um truque valioso, chamado de Regra 20-20-20, que consiste em, a cada 20 minutos, desviar o olhar para um objeto a 6 metros de distância durante 20 segundos. “Quando fixamos o olhar para perto, o músculo ocular se contrai para focar a imagem. Esse exercício permite o relaxamento da musculatura ocular, quebrando o ciclo da acomodação ocular contínua do trabalho no computador”, argumenta.

Larissa menciona, ainda, a relação da luz azul com a regulação do relógio biológico, ou seja, o ciclo natural de sono-vigília do corpo: “A exposição à luz azul durante o dia ajuda a manter o relógio biológico saudável informando ao corpo quando é hora de dormir e de acordar.”

No entanto, essa luz artificial emitida pelos eletrônicos durante a noite é prejudicial para o sono, diminuindo a produção de melatonina (hormônio que regula o sono) e comprometendo o sono adequado. “O ideal é suspender o uso de telas duas horas antes de dormir para não interferir nesse processo”, fala.

A estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o tempo de exposição ideal para cada faixa etária é:

Crianças de 0 a 2 anos: não devem ter qualquer exposição;
Crianças de 2 a 6 anos: 1 hora por dia;
Crianças de 6 a 10 anos: 2 horas por dia;
Crianças acima dos 11 anos: até 3 horas por dia.

A especialista lembra, também, que, segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, ao se passar mais de três horas diárias em frente às telas, o risco de apresentar fadiga visual e ter complicações futuras é exponencialmente maior.

Portanto, “se você trabalha longas horas no computador ou smartphone, sugiro realizar a Regra 20-20-20 e usar colírios lubrificantes para amenizar os sintomas visuais”.

Outra recomendação é apostar nas lentes oftálmicas com filtro azul, que se tornam um auxílio suplementar na proteção dos olhos contra o perigo da luz azul.

 

Fonte: Metrópoles

 

0 comentários


Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *


Veja mais:


  • Geral - O que é Tranca-Rua, termo que fez Ludmilla ser cancelada após show
  • Brasil - Geração Z no trabalho: 5 dicas para atrair e reter talentos da Geração Z, segundo especialista
  • Brasil - Programa Pé-de-Meia: pagamento do incentivo frequência começa nesta quinta-feira (25)
  • Brasil - Prazo para pedir isenção da taxa de inscrição no Enem termina nesta sexta-feira (26)
  • Mato Grosso - Dia Internacional do Jovem Trabalhador será celebrado nesta quarta-feira (24)
  • Mato Grosso - Ibero-Americano de Atletismo tem 90 participantes de Cuiabá
  • Política Brasil - Congresso reúne-se quarta-feira para analisar vetos presidenciais
  • Política Brasil - Comissão de Educação pode votar cota para idosos em universidades federais
  • Pelando - Fernanda Montenegro entra com ação contra INSS para reaver mais de R$ 334 mil após ser dada como morta
  • Brasil - Mani Reggo ignora polêmicas e surge trabalhando em barraca